Suscríbete a nuestro blog

 

 

Últimas publicaciones..

Blog CEMETC

HISTORIA CLÍNICA Nº 8 - CEFALEA (PORTUGUES)

HISTÓRIA CLÍNICA: Nº 8

 

CEFALEIA

 

HISTÓRIA CLÍNICA OCIDENTAL

 

FICHA E DADOS DE FILIAÇÃO

P.M.B., mulher 27 anos.

 

MOTIVO DA CONSULTA

Cefaleia.

 

ANTECEDENTES FAMILIARES

Nada significativo.

 

ANTECEDENTES PESSOAIS

Ver sinais iniciais e evolutivos.

Não tem antecedentes cirúrgicos.

 

ENFERMIDADE ATUAL

Cefaleia idiopática crônica.

 

INFORMES TÉCNICOS (Radiológicos, analíticos, etc.).

Nada encontrado nos diversas exames realizados, exceto ligeira hipercolesterolemia.

 

TRATAMENTO ATUAL

Farmacológico habitual nas dores crônicas de cabeça.

 

OBSERVAÇÕES

Já foi tratada com acupuntura, tendo registrado melhoria transitória durante as sessões clínicas. Atualmente, entende corretamente que a dor de cabeça é só um sinal clínico a mais, no âmbito de um conjunto de sintomas. Por essa razão, pretende realizar um tratamento curativo, que abranja todos os demais sintomas.

 

HISTÓRIA CLÍNICA ACUPUNTURAL 

YI SHI WANG

SEMIOLOGIA    

2 – SÍNTESE DA HISTÓRIA CLÍNICA

 

OS 4 ELEMENTOS DE DIAGNÓSTICO (SHI-ZHENG).

 

3 – DIAGNÓSTICO GERAL, DESENVOLVIMENTO FISIOPATOLÓGICO E CONCLUSÃO DIAGNÓSTICA

 

DIAGNÓSTICO GERAL

OS 4 ELEMENTOS DE DIAGNÓSTICO:

 

A) INSPEÇÃO E OBSERVAÇÃO

  A1) Estado neurológico e coordenação motora: Perda de memória.

  A2) Estado emocional: Depressão e psicoastênica (Nota do tradutor: enfraquecimento do psiquismo, que conduz a certos sintomas neuróticos, como angústia, atos compulsivos e obsessões).

A3) Tez, olhos, língua e pele: Pálidos.

A4) Aspeto, porte e postura: Magra.

 

B) AUDIÇÃO e OLFAÇÃO

  B1) Tom de voz: Débil.

  B2) Tônus cardiorrespiratório: Arritmia esporádica.

  B3) Odor corporal e hálito: Normais.

 

C) INTERROGATÓRIO: (As 30 perguntas básicas).

  C1) Shen e personalidade essencial: Depressiva e psicoastênica.

  C2) Sinais prodrômicos e evolutivos: Próximo de sua menarca e no dia de seu aniversário de 14 anos, descreve que, repentinamente, a luz começou a lhe incomodar (era muito brilhante) e também o barulho, iniciando-se o processo de dor cefálica que prossegue até hoje, de forma persistente e contínua. Tratou-se muito farmacologicamente. Tem antecedentes de dor gástrica esporádica desde os 12 anos, frequentes infecções no Sistema Geniturinário, arritmia congênita, constituição magra e astenia física até o extremo de ter que abandonar a prática de esportes nessa idade.

  C3) Tipo de alimentação: Normal, preferencialmente vegetal, não tolera lácteos nem ácidos e tem preferência pelo doce e pelo picante. Come por obrigação e não tem prazer em saborear a comida. Se, esporadicamente, come algo mais do que o habitual, seu estômago dói.

  C4) Períodos de crises: No verão tem dificuldade para dormir: O vento provoca aumento ou desencadeia o processo.

  C5) Cefaleia: Generalizada, crônica e diária em maior ou menor intensidade, às vezes com sensação de que penetram do vértex (parte superior da cabeça) para dentro. A dor aumenta após se alimentar.

  C6) Agente climatológico incidente: Vento-frio.

  C7) Frio-Calor: Ligeira sensação de hipotermia.

  C8) Sudoração: Frequente nos cinco centros.

  C9) Sede e fome: Polidipsia e apetite escasso.

  C10) Secura e febre: Durante anos teve febrícula, agora relata que tem hipotermia.

  C11) Algias, parestesias, dor e contraturas: Dor ciática na extremidade inferior esquerda.

  C12) Pele e unhas: Pálidas.

  C13) Humores: Tendência geral à secura vaginal, bucal, escassez de muco e fluxo.

  C14) Urina: Normal, amarelada, não tem incontinência, relata não ter apresentado enurese infantil.

  C15) Fezes: Sofreu um quadro diarreico crônico de 1 ano de duração, mas atualmente tem constipação.                 

  C16) Edemas e depósitos: Nada significativo.

  C17) Gastrointestinal: Digestões lentas e pesadas (empachamento), tendência à anorexia, hemorroidas crônicas.

  C18) Geniturinário: Frequentes infecções, micoses vaginais e cistites, dismenorreia.

  C19) Fluxo e menstruação: ------.

  C20) Sono: Leve, superficial, há um ano.                                        

  C21) Coração: Manifesta que, em algumas ocasiões, tem opressão torácica (como se o coração fosse sair pela boca) e, em outras, arritmia.

  C22) Otorrino, boca, olhos e lábios: Secura da boca, olhos e lábios, sinusite desde pequena, vertigens coincidindo com o momento mais agudo da cefaleia.

  C23) Endócrino e metabolismo: Nada significativo.

  C24) Respiratório: Dispneia (provavelmente ansiosa).

  C25) Astenia: Manifesta que é muito intensa quando está trabalhando, mais do que o normal (diz que suas pilhas se esgotam).                                                       

  C26) Fleumas: Hipercolesterolemia.

  C27) Sinais de caída: Somente hemorroidas.                                  

  C28) Sinais de ascensão: Somente algum episódio esporádico de sufoco e face vermelha.

  C29) Hemorragia: Fácil aparição de hematomas.                                    

  C30) Sensação de peso ou vazio: Nada significativo.

 

D) PALPAÇÃO

  D1) Teste Quinesiológico: Não.

  D2) Pulso: Débil e profundo.

  D3) Anatômica: Não.

  D4) Electrônica: Riodoraku.

 

 

DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO E TRATAMENTO

1º DIAGNÓSTICO: DE SITUAÇÃO (JING MAI GANG)

(BIOMEDIÇÕES0

A paciente apresenta um Energobiograma Ryodoraku com todos os níveis em vazio e vazio relativo, significativo de insuficiência geral de energia.

 

2º DIAGNÓSTICO:  DE 1ª INTENÇÃO (BA GANG) 

YIN-YANG: Yin.

INTERIOR-EXTERIOR: Interior.

FRIO-CALOR: Frio.

VAZIO-PLENITUDE: Vazio.

Frio interno por vazio de Yang.

 

3º DIAGNÓSTICO: DE 2ª INTENÇÃO (BIAN ZHEN GANG) (SINDRÔMICO)

DESENVOLVIMENTO FISIOPATOLÓGICO

 

De acordo com os dados aportados, a paciente apresenta uma síndrome de insuficiência congênita de R.-Yin (Shen Yin Bu Zu) e do Yin geral, manifestado por sua constituição débil e magra, tendência à perda de memória, agitação, secura dos humores (líquidos em geral), sudoração e calor nos cinco centros, febrícula vespertina, fezes ressecadas, pulso profundo e rápido, sono leve (superficial) etc.

A insuficiência de Yin se manifesta de uma maneira evidente por hipofuncionamento dos três Yinzu (órgãos sanguíneos) sobretudo o BP, (tendência à anorexia, digestões lentas, dor gástrica, transtornos intestinais, incremento da dor cefálica pós-prandial e fragilidade capilar).

Esse quadro causa uma síndrome de vazio geral do sangue (Xuexu), manifestado por palidez, olhos secos, palpitações, cefaleia “migranosa” (vascular)(enxaqueca) por vasodilatação e estancamento do Xue, lipotimia, vertigem, tendência à anemia, língua esbranquiçada e pulso profundo e débil.

Assim mesmo, se produz uma insuficiência do sangue de Fígado (Ganxuexu), embora não muito severa, mas que provoca ocasionalmente a sensação de vazio no vértex (não há Yin no VG20), a sufocação esporádica, a secura de olhos, a debilidade muscular, o desejo de beber água (tendência à Polidipsia), a opressão torácica, a arritmia esporádica, etc.

Consequentemente, estamos diante de uma cefaleia por vazio geral dos Yin sanguíneos, que pode evoluir para um vazio geral do sangue e da energia. Já temos sinais de início desse quadro, pelo esgotamento (se acabam suas pilhas, segundo manifesta) do P., que está tratando de manter o R.-Yin e o R.-Yang, com sinais de dispneia, tendência a melancolia, pele ressecada etc.

A menarca foi o agente desencadeante de uma precariedade do Yin e do Xue, aparecendo consequentemente a dor cefálica como um sinal clínico, mas, dentro dos contextos sindrômicos anteriormente expostos.

A dismenorreia como sinal de estase no Mar do Sangue (útero), a reação negativa ao Vento Frio, a debilidade do sistema geniturinário diante de agentes microbianos (fator Liuyin) e as hemorroidas confirmam um terreno patógeno que, em sua gênese, foi uma insuficiência do R.-Yin com um R.-Yang suficiente, em princípio, e, por isso, não padeceu de enurese infantil.


CONCLUSÃO DIAGNÓSTICA 

- Insuficiência congênita de R. Yin (Shén Xu Buzu)

- Insuficiência geral de Sangue (Xue Xu)

- Insuficiência de Sangue de Fígado (Gan Xue Xu)

- Fase inicial de vazio de R-Yang (Mingmen Xu)

 

4 - TRATAMENTO (ZHI LIAO FA)

OS QUATRO CRITÉRIOS TERAPÊUTICOS

1º CRITÉRIO TERAPÊUTICO OU O PROTOCOLAR

REGULAÇÃO ENERGÉTICA EM FUNÇÃO DO GRÁFICO RYODORAKU (LI QE GE FA)

- Protocolo nas primeiras sessões.

 

2º CRITÉRIO TERAPÉUTICO BÁSICO OU DE 1ª INTENÇÃO (BA FA)

 APLICAÇÃO DAS 8 TÉCNICAS TERAPÊUTICAS EM FUNÇÃO DAS 8 REGRAS (BA GANG), OU TRATAMENTO SINTOMÁTICO:

 

TRATAMENTO

Calorificação para tratar o Frio interno e Moxabustão de R-Yang.

     

3º CRITÉRIO TERAPÊUTICO: SINDRÔMICO OU DE 2ª INTENÇÃO (BIAN ZHENG FA)

     Protocolarmente, abrir com Yinwei(MC 6) e fechar com T´Chong (BP4)

- Sessões ímpares:

A) Tonificação do R-Yin (R3 (Taixi), R7 (Fuliu), R10 (Yingu), VB25 (Jingmen),RM4(Guanyuan) e PC4 (Shangen) (Esquerdo) e F-Yin (F8 (Ququan)  e F14(Qimen).

B) Tonificação do Xue [(BP6 (Sanyinjiao), BP10 (Xuehai), F13 (Zhangmen) e P9 (Taiyuan)].

C) Recuperação do Centro com E36 (Zusanli), RM12 (Zhongwan), IG4 (Hegu), E37 (Shagjuxu)  e Moxabustão no B20 (Pishu) e no B21 (Weishu).

- Sessões pares:

A) Tonificar a energia, sobretudo com P9 (Taiyuan)(E36 (Zusanli), B23 (Shenshu), DM4 (Mingmen), DM6 (Qihai), DM12 (Zhongwan) e RM17 (Shangzhong).

B) Moxar Rim Yang (B23 (Shenshu), DM4. (Mingmen), RM6 (Qihai), R2 (Rangu), e PC46 (Qimen) Direito).

 

FORMULAÇÃO SEGUNDO OS CRITÉRIOS ANTERIORES

SELEÇÃO DE PONTOS, FÓRMULA ESCOLHIDA: TRATAR AS TRÊS DIMENSÕES (ALTURA, LARGURA E PROFUNDIDADE).

PONTO IMPERADOR: MC6 (Neiguan). - Ponto Chave, o maestro, o Alto e Baixo

PONTOS MINISTROS:

Ministro: B23 (Zhejin) e VB25 (Jingmen). Técnica Shu Mu. Abdome e dorso.

2º Ministro: R7 (Fuliu) e P9 (Taiyuan). Técnica Mu Zi.  Esquerda e direita. 

PONTOS AJUDANTES:

Considerar os demais pontos descritos.

Nº DE SESSÕES CLÍNICAS:

Um ciclo de 10 sessões em 4 semanas, sendo:

- em dias alternados, nas duas 2 primeiras semanas.

- duas sessões por semana, nas duas semanas seguintes.

   

4º CRITÉRIOS TERAPÊUTICOS. TÉCNICAS COMPLEMENTARES (BU CHONG DE FA).

       Técnicas a considerar em função da evolução do paciente.     

4.1. FITOTERAPIA.

FARMACOPEIA ORIENTAL:

FITOTERAPIA OCIDENTAL: 

4.2.AURICULOTERAPIA E/OU OUTROS.  

AURÍCULO TRADICIONAL:

AURÍCULO DE NOGUIER:

PONTOS CURIOSOS OU NOVOS:

MANO, RINO, FACIO, PODO… PUNTURA:

4.3.BIOCERÂMICAS

ADESIVO SEMIPERMANENTES. BIOCERÂMICAS: nos pontos E36 (Zusanli), E37 (Shagjuxu) e RM12 (Zhongwan).

PRENDAS ORTOPÉDICAS:

OUTROS:

4.4.OUTROS RECURSOS       

HOMEOPATIA:

ELETROMAGNETOTERAPIA:

PARES MAGNÉTICOS:

4.5.RECOMENDAÇÕES DIETÉTICAS GERAIS

É imprescindível, durante o período de tratamento, realizar uma dieta natural e fresca, reduzindo ao máximo as proteínas e gorduras de origem animal e os compostos químicos.

Revisar o protocolo geral comum para os demais casos.             

4.6. CONSELHOS HIGIÊNICOS E AMBIENTAIS.

Deverá inspirar e expirar profundamente, tratando de eliminar o ar residual dos pulmões, tendo cuidado com tontura por hiperventilação. Efetuar series de 7 inspirações-expirações várias vezes ao dia, principalmente pela manhã, acumulando mentalmente a energia a nível de um ponto situado dois dedos abaixo do umbigo- RM6 (Qihai).

Revisar o protocolo geral comum para os demais casos.

 

TRADUCTORES DEL ESPAÑOL A PORTUGUES DE LOS DRS.

Sr. ADILSON GIMENEZ

Sr. LUCIENE STEFANO

 

 

© 2017 Centro de Enseñanza de la Medicina Tradicional China
Diseño web: HiTech Informática